OS CRIMES CONTRA PANELAS, COMO PERDOÁ-LOS?

- Publicado em 10/02/2020 - Por Pierre Logan (Colunista)
A+ A-

Os crimes contra Panelas não são somente aqueles cometidos pelo ex-prefeito quando foi opaco administrativamente e acabou sendo processado por improbidade, aliás essas ações do Ministério Público parecem que não andam. Também não estou falando de quando burlou licitação e foi processado criminalmente pelo Ministério Público Federal (essa andou), nem quando foi multado pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco por não realizar concurso público etc., etc., etc. Os crimes dos quais falo não se referem, também, ao nepotismo, aos parentes da prefeita que ainda trabalham na prefeitura (e o Ministério Público não sabe, ou não quer saber)…. Os crimes dos quais falo são aqueles em que o próprio cidadão vira cúmplice.

O imediatismo é quase que uma doença. Em troca de uma vantagem imediata muitos panelenses vendem a alma. Qualquer sinal da vantagem, cargo, diretoria, “bolsa” é um motivo para se agarrar nas tetas da administração pública e, semeando vícios, defendê-la com unhas e dentes. Irmãos da terra contra irmãos da terra, defendendo um Coroné para continuar escravizando os irmãos da terra. Não é um problema político, é um problema moral. Em qualquer lugar sério a decisão seria óbvia: dar um prazo para o Coroné juntar as coisas dele e voltar para a chocadeira de onde veio. Seria, mas não é. Preferem participar de reuniões onde se fala abertamente sobre como os professores devem perder o dinheiro do Fundef. Preferem fazer reuniões onde as falcatruas vão desde como manter contratos temporários ilegais até como terceirizar o nepotismo. Tudo escancarado, evidente, ou como gostam de falar: “público e notório”.

Alguns podem me achar radical e esperar que eu negue isso, todavia, radical vem de raiz e eu nunca neguei minhas raízes. Sou raiz! Sou radical! Quero minha terra livre do atraso, da seca, do desemprego, do Coroné. O espaço que este site me dá para falar com o meu povo é importantíssimo, pois a prefeitura tem milhares de reais para gastar com o grupo do DECOM, algo bem parecido com a propaganda nazista ou o DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) da era varguista, também tem a rádio Cabaços FM para defender suas teses esdruxulas e nós, o povo, temos apenas as mídias sociais, alguns cidadãos livres e comprometidos com a mudança. Não dispomos de recursos financeiros para combater a máquina pública que mói panelense com perseguições e humilhações diárias.

“Todo o poder emana do povo e, em Panelas, contra o povo é exercido
A prefeitura, a máquina sustentada por cada um de nós é utilizada contra nós. “Todo o poder emana do povo e, em Panelas, contra o povo é exercido”. Isso assusta você, amigo leitor? Espero que não porque o que deve assombrar todos nós é a falta de vergonha na cara de conterrâneos nossos, alguns, inclusive, de famílias tradicionais, que aceitam escancaradamente fazer parte da quadrilha organizada sergianista. Eu só espero que os atuais líderes que formatam uma nova oposição não pensem em trabalhar ao lado dessa corja futuramente. A hora de dar um basta é agora e dinheiro, emprego, bolsinhas não devem ser desculpas aceitáveis para o escândalo que está diante de nossos olhos. Panelas está numa situação em que a serra da bica virou um grão perto do tamanho da corrupção na cidade.

As famílias dos Mirandas (originais), Ávilas, Vilares, Nogueiras, Andrades, Rufinos, Lucenas devem se unir contra essa inaceitável situação, onde usurparam o cargo da prefeita, transformaram o ninho afastado do Coroné num quartel-general da pilantragem, safadeza e roubalheira desenfreada.

É chegada a hora de assumirmos nossos papéis e deixarmos claro que tudo tem limite, inclusive, o atraso. Não temos que fingir que Joelma é prefeita de fato porque não é e qualquer um sabe disso. Ora, onde estão os cristãos e o amor pela verdade? O que diabos (Deus que me perdoe, se quiser) esse povo está aprendendo nas Igrejas? Como é possível que o mal reine durante tanto tempo enquanto a verdade apanha em praça pública todo dia? Nós, da terra, não podemos trucidar uns aos outros porque os crimes contra nossa cidade devem ser considerados imperdoáveis.




Coluna Política // Por Pierre Logan
Advogado, Bacharel em Direito pelas Faculdades Metropolitanas Unidas. Formado em Filosofia, é licenciado pela Universidade Cruzeiro do Sul, Pós-graduando em Direito Processual Civil pela Escola Paulista de Direito. Filósofo. Membro do Seminário de Filosofia de Olavo de Carvalho, da comissão de prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil e  Jovem Advocacia de São Paulo. 


Contato: 
movimentoculturaloficial@gmail.com
pierreloganoficial@gmail.com