A HISTÉRICA JOELMA DUARTE

Durante o festival nacional de jericos é normal “tomar uma”, perder a noção da realidade (se bem que “noção da realidade” é uma coisa q...

Durante o festival nacional de jericos é normal “tomar uma”, perder a noção da realidade (se bem que “noção da realidade” é uma coisa que o panelense já não tem o ano inteiro), mas; nos períodos festivos, é mais do que o normal ficarmos mais alegres e pagarmos algum mico. Lembre-se sempre, amigo leitor, uma coisa é um cidadão “perder a linha”, outra coisa é a “representante” máxima de um povo ter um ataque de epilepsia voluntário no meio de uma festa, somente porque o jegue de Sérgio Miranda estava passando. Acreditem ou não, se é que não viram ainda, foi exatamente o que aconteceu.

Eu estava trabalhando tranquilamente, na ilusão de quem pensa que já viu de tudo, quando recebi algumas mensagens de panelenses envergonhados com a postura da prefeita de direito, Joelma Duarte (PSB). Como toda vez que ela aparece faz o povo passar vergonha, eu nem estranhei. Achei que era mais uma daquelas aparições que a prefeita parece um indivíduo absolutamente incapaz (deixando a curatela para o ex-prefeito). Ignorei completamente os pedidos de manifestação. Até que uma moça me enviou o bendito vídeo. Juro eu que, na solidão do meu escritório, na proteção das persianas prateadas, longe do olhar de qualquer outro ser humano; fiquei com vergonha! Tive que assistir mais de uma vez para aceitar que um representante eleito que tenha mais de dois neurônios saia do controle daquele jeito. Só me acalmei quando percebi que quem tem mais de dois neurônios não faria uma coisa daquela. Estava explicado.

Sérgio Miranda, doravante “o coisa” (ninguém assume o que ele é da cidade) foi homenageado por meia dúzia de puxa-sacos. A prefeita vestiu-se com roupas estampadas com a foto do indivíduo. Sim, algumas outras pessoas vestiram-se também, mas isso é um problema delas. Quando um cidadão homenageia quem quer que seja, é um problema exclusivamente dele, algo particular, mas quando é uma prefeita eleita o problema é de todos, pois torna-se algo que afeta a moralidade do coletivo, torna-se algo público. É uma questão ética. Quando uma prefeita é eleita, ela não representa somente as pessoas que votaram nela, ela representa todos os cidadãos do município, inclusive, os que não votaram em ninguém. Isso é democracia.

Aprendam isso de uma vez por todas: você de oposição tem os mesmos direitos, deveres, garantias etc., que qualquer outro cidadão. Acabem com essa mania de achar que um puxa-saco sergianista tem mais direitos que o cidadão de bem. Conheça seus direitos e exija-os! Chame a polícia, vá ao juiz, ao tribunal ao Supremo Tribunal se for preciso. Vá até as últimas instâncias combativas para fazer valer seu direito. Gaste até seu último centavo com isso, pois antes de você ter esse direito, muitos deram a vida para que você o tivesse. Quem não luta pelos seus direitos não é digno de tê-los.

Mas, voltando a histeria pública de mamulengo, com essa dança epilética de animador de torcida de jegue, a prefeita do município, ofendeu não só a os que ainda tem um pouco de bom senso, ela envergonhou a todos os animais ali presentes. Foi a cena mais patética e ridícula que já tivemos o desprazer de registrar no universo político de Panelas. A prefeita de direito, se debatendo ao lado de palhaços, jegues e idiotas úteis. Cada um fazendo seu papel, com exceção da prefeita, é claro. Os palhaços, observem no vídeo, certa hora ficaram perdidos, pois se a prefeita fazia o papel deles, deveriam eles fazerem o papel de prefeita? Terrível. A que ponto nós chegamos... Eu digo “nós” porque Joelma representa toda população. Goste você ou não disso, com aquele ataque de tremulação festiva epilética, ela estava dizendo “é assim que o povo age, é assim que ele pensa, é assim que ele é”. Que a prefeita conseguisse descer ao subsolo do ridículo eu nunca duvidei, mas que fizesse isso em público, olha foi revelador. O engraçado é a cara da plateia que, filma, aplaude, mas não consegue esconder o sorriso de vergonha do rosto. Alguns até olham para trás para ver se mais alguém está, pelo menos, aparentemente, aprovando aquilo. Inacreditável.

Além do mais, se o homenageado fosse um artista, um poeta, alguém que tivesse, pelo menos, algo admirável, mas a foto estampada nas camisas era do ex-prefeito, Sérgio Miranda, que fez o maior rombo da história da previdência municipal, que aplicou menos que o mínimo exigido na saúde, na educação, que negou direito aos professores, que foi acusado de burlar licitações, que desgovernou o município e ficou rico enquanto prefeito (faça as contas e veja se é possível) e que, através da maneira mais baixa de dominação aprisionou o povo no jogo da necessidade.

O homenageado não foi alguém que priorizou a independência do povo, mas alguém que ficou no poder por quase duas décadas e não fez um único concurso público. O déspota que nunca sofreu oposição de verdade, que mente abertamente, que engana, que despreza. O mesmo cara que, ainda na década de noventa, escreve que Panelas sofria com a seca, e vinte anos depois, mesmo depois de receber recursos, mais recursos, mais recursos embarga as obras que organizaria a nossa barragem, não resolve o problema da seca e na última confissão de dependência, puxa água do vizinho que é obrigado a sustentar a si próprio e a nosso município. E, passa ainda a conta para o povo.

O homenageado, “o ícone”, o coisa, teve recomendação de rejeição de praticamente todas as contas de seus antigos desgovernos, quase todas pela mesma razão: não aplicação do mínimo exigido pela constituição no desenvolvimento do ensino básico, não aplicação do mínimo em saúde, FUNDEF, FUNDEB, PANELAS/PREV, já foi notificado pelo Ministério Público por não realizar concurso público. O ministério público praticamente disse que a não realização era para manter o curral eleitoral sob rédeas curtas.


“O coisa” foi um exemplo de tudo o que um cidadão descente não deve ser. Fez de panelas uma cidade repleta de indivíduos descerebrados, incautos e subservientes. Num país em que os políticos são cada vez mais odiados, nossa cidade tem, como representante máxima, no poder executivo, uma professora que nunca conseguiu se educar. Não fala com o mínimo de domínio da língua portuguesa (não é questão de variação linguística, é limitação cultural mesmo). No fantástico mundo de Joelma Duarte, não há lugar para outra coisa que não seja agradar o ex-prefeito, e nada é mais do agrado do Coisa que o povo dominado, omisso, silente, subserviente e pobre de cultura, de dinheiro e, preferencialmente, de espírito. Foi o comportamento mais reprovável que se pode contemplar numa figura pública. Agora, os vizinhos do nosso município já podem rir ainda mais de nossa cidade e dizer que a prefeita de Panelas além de ser incapaz, incompetente e incauta é também histérica. Pobre de nós panelenses...

Coluna Política // Por Pierre Logan

Formando em Direito, Licenciando em filosofia, possui formação em Direito Eleitoral, Administrativo, Fundamentos do Direito Público, Ciência Política e Teoria Geral do Estado. Compositor, gravou no final de 2015 o disco Crônicas de Um Mundo Moderno. Atualmente atua na área jurídica e também é colunista do Jornal SP em notícias. Contato: movimentoculturalpanelense@gmail.com ou pierreloganoficial@gmail.com

Mais publicações sugeridas para você

Política 4490671973345416811

No facebook

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

“Vamos mudar. Você tem esse poder”, mensagem do Ex-Prefeito Fred sobre a política

Vivemos um quadro político bastante conturbado em todos os níveis. As mensagens dos candidatos tentam confundir o raciocínio dos eleitores....
continuar

RECEBA ATUALIZAÇÕES