IMPRESSÕES INICIAIS

Sim! Eu estou em Panelas. Foi preciso apenas umas voltas para constatar empiricamente que tudo o que falei que estava ruim e fui questionad...

Publicado em 30/01/2017 | Por Pierre Logan (Colunista)
A+ A-
Sim! Eu estou em Panelas. Foi preciso apenas umas voltas para constatar empiricamente que tudo o que falei que estava ruim e fui questionado por argumentos do tipo: “Venha dar uma volta e ver pessoalmente.... Blá, blá, blá...”, é um pouco pior do que eu imaginava quando via de longe. A primeira impressão é a que fica e a segunda complementa a primeira que ficou. Pouco importa. Estou em outro “movimento” e mesmo sentindo de longe o cheiro da podridão política que há aqui, o povo de Panelas sempre me mostra que vale a pena defender o que defendo. Esta semana pretendo escrever, excepcionalmente, mais de um artigo.

Não importa se o motivo foi o sorriso de um idoso cansado demais para não ter esperança ou de uma criança que correu para me abraçar. Não importa se minha felicidade decorreu apenas de um abraço apertado de alguém que nunca tinha me visto, mas que lia minhas palavras e se mantinha perto demais para não nos tratarmos como velhos amigos, cujas conversas tivessem ultrapassado dias, meses e anos. Me alegro e me enfureço com coisas simples. É uma de minhas qualidades mais assustadoras e louváveis. Não estou me gabando, apenas fazendo um diagnóstico que versa basicamente sobre minha sensação de pequenez diante de um sentimento imenso que se torna gigante na medida em que encontra a razão de tanta preocupação.

A maioria não enxerga como eu enxergo a maioria das coisas. Isso não é problema. Mas deixe-me pontuar que dentre todos os grandes problemas que temos em Panelas, a política fez com que a própria política fosse o menor. É um tipo de vício. Um tipo de sentimento de superioridade que não se esconde. Esse sentimento se projeta  nos sorrisos daqueles que acreditam que “pobreza é defeito e bebedeira é virtude”. Depois de um tempo sozinho comecei a pensar se uma mudança significativa seria possível. A conclusão foi que há mudança é possível, mas ainda pode demorar umas gerações para começarmos a sentir isso.

Cada um de algum modo acha que está fazendo sua parte. De fato, está. O grande problema é que cada pessoa trabalha na sua parte isoladamente, quando é sabido que as coisas só começam a “andar” quando cada um faz sua parte em conjunto. É somente analisando a possibilidade de achar a melhor forma possível de convivência para todos, que encontramos em nós o motivo de sermos o que melhor temos no mundo que melhoramos para outras pessoas. Mas tem algo que impede os jovens de terem uma vida minimamente sobrea para serem tratados por eles mesmos com seriedade. Não há de fato um bom padrão de referência.

Quando digo “padrão de referência” estou me referindo as crianças que crescem com bêbados, políticos malandros, pessoas “amigas do rei” e gente que tem vantagens por participar, em certa medida, do grupo dos sortudos companheiros da corte. A promessa de resolução do problema da água é uma mensagem simples e prática de que não se precisa cumprir o que se promete. Eis o padrão de referência. É trivial e manjado tocar neste ponto, mas estou falando das impressões iniciais que tive e a descrição de situações e comportamentos pré-fabricados que não funcionam. Estou falando de autômatos juvenis que já passaram dos 35 aninhos de vida. Estou falando de gente que não sabe que tudo é uma questão de perspectiva de melhoramento de vida através do trabalho honesto e edificador que não existe porque convém aos que alimentam a desigualdade para ela crescer e depois se alimentar dessa mesma desigualdade.

A situação é que o povo quer, mas parece ter entrado num profundo sebastianismo. A impressão que se dá é que estão esperando alguma coisa acontecer porque de alguma forma sabem que tal sistema é nocivo e que não se sustenta sozinho. É preciso corroer e enganar. É preciso engolir e engordar. É preciso mentir e reinventar a mentira para repetir e repetir os mesmos discursos sem lógica para construir uma “verdade” falseada.


Cada pessoa, pelo que me parece, se fechou dentro de um pequeno sistema. Cada cidadão se fechou em um círculo pequeno de preocupação consigo mesmo e por isso não percebeu que a mudança não depende necessariamente de quem representa, mas talvez da forma que cada um se representa para quem o representa. É preciso mudar, mas pelo que me parece, aqui; a mudança assusta. 

Coluna Política // Por Pierre Logan


Formando em Direito, Licenciando em filosofia, possui formação em Direito Eleitoral, Administrativo, Fundamentos do Direito Público, Ciência Política e Teoria Geral do Estado. Compositor, gravou no final de 2015 o disco Crônicas de Um Mundo Moderno. Atualmente atua na área jurídica e também é colunista do Jornal SP em notícias. OAB-SP 218968E.

Veja mais publicações sugeridas para você

Política 2559477190910745595

PÓS-GRADUAÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO
22% DE DESCONTO, não perca essa oportunidade!

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

Atendimento do Banco do Brasil em qualquer agência

O Banco do Brasil (BB) vai atender clientes em qualquer agência do País. E já começa a valer a partir do dia 2 de julho. O BB conse...
continuar

Associado


RECEBA ATUALIZAÇÕES

Panelas Pernambuco Podcast

No facebook

Online agora