RIDÍCULO, JOELMA VAI PERDER

Publicado em 29/08/2016 | Por Pierre Logan (Colunista)
A+ A-
Também acho chato demais quando alguém usa títulos que nada tem a ver com o texto para chamar nossa atenção. Chega a ser ridículo, mas se quisermos fazer a coisa certa muitas vezes temos que perder o medo do estranho, precisamos muitas vezes ser um pouco mais heteróclitos. Eu já devo ter dito em algum texto deste site que é quase impossível perder para Lourinho Macunaíma, então, pulemos a parte em que analiso os políticos e seus fétidos discursos para analisar a postura popular e a miséria democrática. Só para lembrar: minha estratégia para provar que o povo cai em qualquer conversa deu certo.

"Se a maioria concordar, a mentira será aceita como verdade"
Platão tinha sérios questionamentos sobre a democracia. De certo modo seu pensamento não foi nem de longe refutado por qualquer outro pensador posterior, por esta razão não podemos ter este ponto como uma ideia antiga e superada. Em linhas gerais, Platão dizia que a democracia podia ser nociva, pois não é um sistema em que se busca a verdade, mas sim, um sistema em que; se a maioria concordar, a mentira será aceita como verdade. Algo ruim pode ser tido como algo bom na democracia se caso a maioria assim o diga. É evidente que o pensamento platônico acertou em cheio. Posteriormente outros filósofos e pensadores da política disseram que a democracia não é um sistema ideal, no entanto, é o menos ruim. É patente que, de certo modo, esse último pensamento concorda com o anterior a ele. Mas o que isso tem a ver com Panelas?

"A política panelense é construída mais pela imbecilidade dos eleitores que pela esperteza dos candidatos"
Muito simples. Não se trata do que o debate tem a ver com Panelas, mas o que Panelas tem a ver com o debate. O que está, creio eu, implícito no pensamento de Platão é que, para a democracia dar certo, precisaríamos de um nível intelectual razoável de políticos e eleitores. Necessitaríamos, neste caso, de um uso um pouco mais elevado da razão. Cidadãos que pensassem com a cabeça, não com a barriga ou com o bolso (este último é a verdadeira razão para tanta briga na política panelense). Não é difícil de entender, menos ainda de observar como todo o sistema está viciado. Por essa razão vou apresentar alguns argumentos que mostram que a política putrefata e carcomida panelense é construída mais pela imbecilidade dos eleitores que pela esperteza dos candidatos.

Quantas pessoas saíram às ruas para protestar contra aquela taxa de energia elétrica? Isso mesmo, nenhuma. Lembro-me que, naquela bendita reunião, a Câmara estava tão cheia quanto um recipiente vazio. Quantos cidadãos honestos protestaram contra a aprovação das contas rejeitadas do prefeito? Onde estavam os líderes de oposição e a população “oposicionista” em geral? Vocês por acaso chegaram a ver passeatas, carreatas ou coisa do tipo? Não, não vislumbraram o invisível e utópico evento democrático. A desculpa principal era a falta de tempo.

Hoje o que vemos? Carros com bandeiras, vidros com adesivos, músicas de artistas que, de certa forma, não ganham só com a arte, pois poucos conseguem esse privilégio. Os fraquinhos têm que viver de cover, que não é necessariamente a mimese aristotélica, mas a mesma força que repousa sobre as marionetes. Inegável é sua participação (querendo ou não) central na arte da repetição e no desgaste da cultura popular. O povo sai às ruas não para protestar contra o que reduziu parte de sua vida a miséria. Os cidadãos não caminham cantando o hino municipal e dizendo que não serão mais estuprados pelo governo. Os eleitores que nunca foram a câmara dizem acompanhar a política e reforçam o amor pela democracia e acompanhamento diário dos andamentos processuais dos vários processos do atual prefeito (muitos perdidos, ao contrário do que reza a lenda) e votam, voltam, revoltam-se contra os que dizem que esse é o caminho errado.

Não é do cidadão do campo que estou falando. O preconceito de cunho provincial é de exclusiva detenção daqueles candidatos que esqueceram que os sítios existiam, no entanto, caminham pelas estradas empoeiradas e cerram os punhos para convencer (efeito teatral conhecido) de que lutarão por aqueles trabalhadores e que estes, nem precisam ir a câmara para comprovar a promessa. Estou falando do cidadão da cidade. Sim, de homens domesticados que saem quando seus senhores mandam sair e trancam-se quando mandam trancar-se. Daqueles que ganham dinheiro e só conseguem provar que dinheiro é bom demais, mas só dinheiro não resolve o problema. Pessoas que estudam em cursos superior, outros que já se formaram (difícil porque a maioria que se forma sai). Cidadãos que conseguem passar nas provas universitárias, mas falham terrivelmente nas provas da vida. Pessoas que não conseguem entender a diferença entre o trabalho digno e a venda da própria alma.

"A democracia não começa quando você escolhe e termina quando você vota. Ela vai muito mais além"
Não tem como a democracia funcionar quando você não usa a razão para votar. Não tem como a democracia funcionar se você finge que acredita nas mentiras que seu candidato conta. Não é possível vislumbrar o sucesso da democracia enquanto eleitores manifestarem-se, inutilmente, somente em campanhas eleitorais. Não tem como funcionar porque a democracia não começa quando você escolhe e termina quando você vota. Ela vai muito mais além. Eleitores lotam as ruas, cantam, brigam, discutem e acham que faz parte do jogo, e, de certo modo, estão certos. Só estão equivocados quando acham que são peças importantes no jogo democrático (como dizem os políticos), são peões e peões são sacrificados o jogo inteiro, tornam-se peças fortes somente quando atravessam o tabuleiro e mudam. Agora, se você acha que minhas colocações são fracas porque pegaram ideias de um pensador de cerca de três séculos antes de Cristo, lembre-se que a ideia de democracia surgiu na época dele e que até hoje não se inventou algo melhor, isso sim é ridículo, ainda mais estúpido que aplaudir uma pessoa que você sabe que não te representaria jamais. 

Pierre LoganColuna Política // Por Pierre Logan

Formando em Direito, Licenciando em filosofia, possui formação em Direito Eleitoral, Administrativo, Fundamentos do Direito Público, Ciência Política e Teoria Geral do Estado. Compositor, gravou no final de 2015 o disco Crônicas de Um Mundo Moderno. Atualmente atua na área jurídica e também é colunista do Jornal SP em notícias.

Veja mais publicações sugeridas para você

Política 7578715318891286366

Dica promocional

Dica promocional
Transforme sua TV em Smart

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

Edição 2017 da Maratona de Cruzes

Confira o vídeo resumo da reportagem da 34ª Maratona de Cruzes, do principal dia do evento. Realizada a 34ª Maratona de Cruzes, o eve...
continuar

No facebook

RECEBA ATUALIZAÇÕES

Podcast Política

Online agora