O PANELENSE ESTÁ FEDIDO!

Publicado em 18/07/2016 | Por Pierre Logan (Colunista)
A+ A-
Eu poderia fazer como esses radialistas fajutos que tecem elogios para agradar atitudes e pessoas medíocres colocando-me, de certa forma, ao lado delas como um amigo. Não o faço porque não faço a mínima questão de agradar gente desprezível (especialmente da classe política). A hipocrisia e a ética são excludentes. O grande problema é que a população se acostumou a ter opiniões acerca das atitudes dos outros e sequer refletir sobre suas próprias atitudes. Por que será que o problema está sempre no outro e nunca em nós?

Primeiramente é importante salientar que cada palavra no título deste texto é proposital. Usei “está” no lugar de “é” porque acredito mais na força da educação e do costume do que na programação biológica. Esse negócio de determinismo moral já está ultrapassado há tempos. O povo de Panelas pode ser tão honesto quanto qualquer outro povo e tão filho da puta quanto. Existem muitos caminhos e cabe a nós escolhermos  cada um deles, tendo a consciência de que ao escolher um renunciamos automaticamente todos os outros.

No dia 5 deste mês um veículo que carregava produtos de perfumaria roubado em Aracaju – Sergipe tombou na BR – 104 e o suposto criminoso de 26 anos de idade morreu no local. Até aí nenhum problema. O problema é que algumas pessoas (muitas na verdade) saquearam a carga. Sem essa conversa afiada de “ladrão que rouba ladrão blá, blá, blá”. Se alguém furta seu celular torna-se um ladrão. Se outro ladrão furta o celular do cara que furtou de você, ele não recebe um prêmio seu por isso. Até porque você continua sem seu telefone móvel e o primeiro ladrão nunca foi de fato furtado, já que o celular era propriedade sua e não dele. O fato é que agora, graças ao segundo ladrão, será mais difícil rastrear seu bem e devolvê-lo para você. Não adianta vir com a desculpa de que o ditado popular se refere ao merecimento pela esperteza, até porque não existe atenuante para quem rouba usando malandragem, dependendo do caso isso pode ser até agravante.

Então aqueles homens e mulheres que saquearam são ladrões? Podem não ser ladrões profissionais, mas naquela situação foram criminosos. Procure um sinônimo para “saquear” no dicionário. Verá que saquear e roubar são coisas muito próximas (pra não dizer a mesma coisa). O que devemos aprender é a “não fazer com os outros aquilo que não queremos que seja feito conosco”. Essas frases triviais que repetem nos perfis sociais dizem muito, mas poucos fazem uma reflexão sobre o que eles mesmos compartilham.

A primeira coisa que se pensa quando se encontra uma carreta ou caminhão virado nas margens de uma BR é: “Alguém dirigia o veículo”. Depois de se preocupar com a possível vítima e buscar descobrir se ela está bem, ferida ou morta procura-se ligar para que o socorro chegue o mais rápido possível. É natural pensar que a mesma coisa pode ocorrer com qualquer um que dirige automóvel e que aquela atitude humana é o mínimo que gostaríamos que fizessem se nós fossemos o acidentado.

A segunda coisa que se pensa quando se encontra uma carreta ou caminhão tombado nas margens de uma BR é que o veículo tem um dono. E que o direito de propriedade não acaba quando tombamos uma carga, assim como o direito à vida não acaba quando levamos uma queda. Trata-se de não pegar o que é dos outros. Trata-se de uma questão moral e ética. Moral porque se deve fazer por respeito a si mesmo, já que não nos tornamos merecedores de algo que não vem de alguma forma do nosso esforço. Ética porque diz respeito a uma busca de melhor convivência para todos da sociedade e além de tudo uma questão de exemplo. 

Sim. Exemplo. Temos que ter em mente que todas as vezes que fazemos algo passamos uma mensagem. Se sempre saquearmos a casa de alguém que viaja para praia ou para um sítio etc., e achamos isso normal, estamos passando a seguinte mensagem: "sempre que eu viajar, podem saquear minha casa, pois isso é absolutamente normal". Acham que o exemplo não tem nada a ver com a questão? Então mudemos de exemplo. Digamos que seu carro tomba e você está numa rodovia, pessoas começam a chegar e ignoram sua situação (ferido, vivo ou morto), simplesmente passam por você e começam a pegar seus pertences. Digamos que você ainda esteja vivo e protesta contra aquele absurdo. Você diz que aquilo tudo é seu e que ninguém tem o direito de pegar só porque o carro está de cabeça para baixo. E aí? agora a situação muda porque você sabe o quão duro é para conseguir o que se quer.

Vamos para o verdadeiro objetivo do texto. Sabemos que a política, a mídia e outros setores culturais viraram o país de cabeça para baixo. O Brasil tombou. Virou uma verdadeira zona. Nesse pandemônio de atitudes mesquinhas o povo está pegando tudo o que não é dele porque considera justo. Seus representantes olham para os cofres públicos e têm a mesma ideia. Manifestar-se, como representante, no mesmo sentido do que o representado se manifestou, não seria justo?

Se pegamos o que não é nosso estamos dizendo que qualquer um pode pegar o que não é dele. Porque todos são iguais perante a lei e, de certo modo, os "costumes do lugar", legisla tanto a nosso favor como contra nós. Diga que estou errado, mas observe a quantidade de carros alienados em Panelas, o que diz a lei e depois veja no youtube uma audiência pública onde o delegado da cidade diz que isso é normal. 

Se fosse comida diríamos que a culpa pode ser daqueles que deixam o povo passar fome. Sabemos que não era comida, mas produtos de perfumaria que pouco vão servir, já que o cheiro ruim vem mais das atitudes e do comportamento dos que buscam vantagens do que do suor daqueles que vivem do seu próprio esforço. Seu odor pode ser menos desagradável que o mau cheiro de seus atos. Seu cheiro ruim pode ser um fim em si mesmo, mas suas atitudes serão transmitidas como uma doença pela sociedade e podem contaminar crianças que vão repetir suas ações, amplifica-las, ensiná-las e viver como se essa fosse a verdade. Cada um de nós é um mensageiro e todos juntos somos a força do mundo que queremos construir. O problema é que poucos aceitam sua responsabilidade e preferem o caminho mais fácil. Esquecemos da moral, da ética, dos bons costumes e da religião, já que nenhuma prega o saque como caminho para salvação. Sabendo que o ateísmo também não prega tal ato, chegamos a difícil conclusão de que quando se comete algo do tipo é porque acredita-se que é superior e pode fazer tudo ou que é inferior e não tem responsabilidade por nada

Coluna Política // Por Pierre Logan

Formando em Direito, Bacharelando em filosofia, possui formação em Direito Eleitoral, Administrativo, Fundamentos do Direito Público, Ciência Política e Teoria Geral do Estado.


  • O vídeo circula na Internet mostrando pessoas saqueando a carga roubada do caminhão que virou na BR-104 próximo a cidade de Panelas-PE (trecho conhecido como "curva do criminoso")


Veja mais publicações sugeridas para você

Política 5485919466815964157

Dica promocional

Dica promocional
Transforme sua TV em Smart

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

Edição 2017 da Maratona de Cruzes

Confira o vídeo resumo da reportagem da 34ª Maratona de Cruzes, do principal dia do evento. Realizada a 34ª Maratona de Cruzes, o eve...
continuar

No facebook

RECEBA ATUALIZAÇÕES

Podcast Política

Online agora