Dengue, Chikungunya e Zika disseminadas no Município: Como se cuidar?

Publicado em 29/03/2016 | Da Redação Panelas Pernambuco
A+ A-
Segundo o Ministério da Saúde, Dengue, Chikungunya e Zika são doenças causadas, principalmente, através da transmissão pelo mosquito Aedes Aegypti. Porém, apesar de bem semelhantes, os sinais e sintomas das três doenças são diferentes.

Para a Dengue, uma das primeiras manifestações da doença é a febre alta, entre 39° à 40° C, que dura em média de 2 à 7 dias, e é acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, abatimento, fraqueza, dor atrás dos olhos, aparecimento de lesões e coceira na pele, além de perda de peso, náuseas (vontade de vomitar) e vômitos. Na forma mais grave, é comum apresentar forte dor abdominal contínua, frequentes episódios de vômitos e sangramento de mucosas.

Para a Chikungunya, é comum febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele.

E a Zika, seus sintomas mais comuns são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos.

Como se cuidar?

Para essas doenças não existem tratamento específico, o que pode ser feito é seguir algumas recomendações como descritas no site “Combate Aedes” (combateaedes.saude.gov.br):
  • No caso da dengue, fazer repouso e ingerir bastante líquido, importante não tomar medicamentos por conta própria;
  • Em caso de Chikungunya, são tratados com medicação para a febre (paracetamol) e as dores articulares (anti-inflamatórios);
  • E para a Zika, é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor;
No caso de erupções pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados. Para toda doença, é recomendável a consulta médica antes de iniciar qualquer tratamento.

Das complicações mais graves, temos a microcefalia em bebês (malformação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada), ocorre quando a gestante é picada pelo mosquito Aedes Aegypit, e a síndrome Guillain-Barré.

O que é síndrome Guillain-Barré?

Uma reação a agentes infecciosos, como vírus e bactérias, e tem como sintoma a fraqueza muscular e a paralisia dos músculos. Os sintomas começam pelas pernas, podendo, em seguida, irradiar para o tronco, braços e face. A síndrome pode apresentar diferentes graus de agressividade, provocando leve fraqueza muscular em alguns pacientes ou casos de paralisia total dos quatro membros. O principal risco provocado por esta síndrome é quando ocorre o acometimento dos músculos respiratórios, devido a dificuldade para respirar. Nesse último caso, a síndrome pode levar à morte, caso não sejam adotadas as medidas de suporte respiratório.

Ambas, microcefalia e Guillain Barré, estão relacionadas ao Zica Vírus. Daí a importância de saber qual das doenças você adquiriu, para se ater a esses possíveis “agravamentos”. Sobre a Zika, especialistas ainda estão realizando estudos para a comprovação ou não da transmissão do vírus da Zika através do leite materno, urina, saliva e sêmen, do mesmo modo, o site explica que não se pode classificar como uma doença sexualmente transmissível.

É importante ter conhecimento dos sinais e sintomas de cada doença, uma vez que os testes disponibilizados pelo SUS, como divulgado pelo Ministério da Saúde em Janeiro desse ano (2016), tem a meta de distribuir 500 mil kits do teste que detecta a doença até o fim do ano, porém a prioridade para realização do teste é das gestantes. Obviamente, observando a demanda na atenção básica e nos hospitais de pequeno e grande porte, é visível que não há condições de realização dos testes em qualquer outra pessoa que não seja as gestantes.

Em Panelas-PE, por exemplo, nas unidades de saúde estão chegando casos e mais casos de pessoas com sinais e sintomas das doenças. Algumas medidas podem ser tomadas para minimizar o caos, além das campanhas de conscientização a prevenção realizadas nas escolas e/ou profissionais de saúde, a Secretária de saúde pode disponibilizar o “fumacê” (inseticida para matar o mosquito Aedes Aegypit), além de, quando possível, aumentar o número de funcionários das unidades de saúde, para atender e manter a devida assistência humanizada á população.

Diante de tudo que foi dito, é importante enfatizar que, o combate ao aedes aegypit é uma responsabilidade tão nossa quanto da secretária de saúde, de forma que, cada um deve fazer a sua parte, não deixar água parada é primordial para diminuir a proliferação do mosquito transmissor dos vírus da Dengue, Chikungunya e Zika, assim como, investigar e cobrar ações da Secretária de saúde também, como por exemplo: solicitar “fumacê” para suas ruas, denunciar casas abandonadas ou até mesmo com pessoas morando dentro, nas quais se encontre reservatórios com possíveis focos do Aedes Aegypit. E com relação a proteção individual, o indivíduo ainda pode fazer uso de repelentes (prestando atenção da duração do efeito de cada um) e uso de calças e meias e/ou sapatos fechados, uma vez que, os mosquitos têm preferência pelas pernas e os pés.

Enfim, deve-se haver uma parceria entre população X Secretária de saúde, para que assim se alcance o controle da doença.

Janily AlvesColuna Saúde // por Janily Alves

Estudante Graduando em Enfermagem no
Centro Universitário do Vale do Ipojuca (UNIFAVIP).

Veja mais publicações sugeridas para você

Saúde 5992161115759414080

Postar um comentário

Os comentários ou recados neste site refletem tão somente a opinião do autor do mesmo. Seja ético e não publique spam.

emo-but-icon

LIVE: Reunião Legislativa 19/10

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

Fim da Zona Eleitoral de Panelas

Juiz Eleitoral de Panelas-PE comunica o encerramento da 49ª Zona Eleitoral do Estado de Pernambuco. O Excelentíssimo Senhor Juiz El...
continuar

Associado


RECEBA ATUALIZAÇÕES

No facebook

Online agora