Raul Henry e Sérgio Miranda: a incompatibilidade reina quando o assunto é Educação

Publicado em 04/02/2016 | Da Redação do Panelaspernambuco.com
A+ A-
Depois de um período ‘off-line’, justificado pelo volume de outras escritas que eu precisava/preciso cumprir, retomo com ânimo revigorado meus artigos sobre Educação aqui no Panelaspernambuco.com. A data é sugestiva, pois sucede a abertura do ano letivo 2016 da rede municipal panelense que teve início nesta quarta-feira (03/02), marcada por um evento destinado aos profissionais da área e que aconteceu na Sociedade Esportiva Panelense.

"A cada novo ano temos a ficção de que começa alguma coisa! Nada começa: tudo continua"
O vice-governador Raul Henry, figura conhecida do povo de Panelas, ministrou no evento uma palestra sobre ‘Educação Pública’ e, apesar de ser formado em Economia e possuir mestrado em Gestão Pública, há de se pontuar que o político tem conhecimento na área da educação, já que sua pesquisa de mestrado atuou na área, falando sobre diferentes modelos de ensino de países que usaram a educação para alavancar o desenvolvimento. Além disso, Raul Henry foi secretário de Educação e Cultura (2001-2002) de Pernambuco e no Congresso Nacional foi membro titular da Comissão de Educação e Cultura e das Comissões Especiais do Plano Nacional de Educação (PNE) e da Lei de Responsabilidade Educacional (LRE), ou seja, este homem tinha muito a falar, não apenas à plateia de professores, diretores e coordenadores, mas principalmente à mesa formada pelo prefeito da cidade, pela secretária de educação, pelos vereadores e outras pessoas que ali estavam.

Falo que tinha muito a ensinar porque a falta de aproximação entre o que Raul Henry defende e o que acontece na educação de Panelas chega a ser assustadora. Mas para não ficar no campo da abstração, vamos aos fatos. Raul, enquanto secretário de educação, implantou a profissionalização da gestão escolar através da escolha de diretores baseada em um sistema misto de seleção interna por avaliação de conhecimentos e eleição direta pela comunidade escolar, nada parecido com o que acontece em Panelas, onde os diretores são apadrinhados, digo, escolhidos sem consulta alguma à comunidade ou processo seletivo que meça seus conhecimentos. Sobre valorização dos profissionais da Educação, Raul Henry enquanto secretário implantou o plano de cargos e carreiras para os docentes e na palestra ministrada em Panelas também falou sobre o assunto, o problema é que um grande percentual da plateia que o assistia é formado por profissionais explorados pelo inconstitucional contrato. Veja como toda essa situação é contraditória: um defensor do plano de cargos e carreiras falando para vários profissionais que não sabem nem o que é receber 13º salário, muito menos férias, que dirá construir uma carreira do/decente em Panelas. Deixemos esse direito para quem é concursado, aliás, por falar em concurso, alguém sabe quando essa Câmara de Vereadores andará com as próprias pernas e colocará em votação o bendito projeto para que, enfim, haja concurso em solo panelense? (Esperar por essa Câmara cansa qualquer um).

Voltando às incoerências entre a administração atual de Panelas e o histórico do vice-governador quando o assunto é Educação, ainda na palestra, Raul Henry falou sobre a importância do professor capacitado para a construção do processo de ensino-aprendizagem, engraçado falar sobre isso em uma cidade que mandava muitos funcionários para sala de aula sem terem formação para tal, nem Magistério, muito menos alguma Licenciatura. Essa é mais uma das ‘conveniências’ dos contratos, não há efetiva seleção, não há pré-requisitos, aliás, há apenas um: ser ‘do lado’ do prefeito.

Se para os universitários, Raul lançou o ‘Rumo à Universidade’, em Panelas os estudantes precisam ir a reuniões para ouvir o prefeito dizer que vai fazer a caridade de pagar uma porcentagem do transporte, ai de quem não participar da reunião, corre o risco de não receber a ‘caridade’. Se por um lado há os programas ‘Dinheiro na Escola’ e o ‘Livro na Escola’, em Panelas temos a creche de São Lázaro parada e se deteriorando sem nunca ter sido usada, ou a de Cruzes que não tem a mínima previsão de quando atenderá à comunidade. Enfim, não estou aqui para santificar Raul Henry, longe disso, mas acredito que Panelas (prioritariamente a administração) ainda precise de mais algumas dezenas de palestras para levar a educação da cidade verdadeiramente à sério.

Bom, eu poderia listar mais algumas coisas, mas vamos deixar para um próximo artigo, afinal, o ano letivo está apenas engatinhando. Ao corpo docente e discente da minha amada Panelas desejo garra, perseverança e muita criatividade para conseguir driblar os obstáculos que diariamente surgem pelo caminho. Sei que é difícil pensar em grandes mudanças na Educação de Panelas só porque um novo ano letivo está por vir, pois como disse Fernando Pessoa a cada novo ano temos a “Ficção de que começa alguma coisa! Nada começa: tudo continua.” Principalmente quando as mesmas pessoas estão à frente, cometendo os mesmos erros, negando os mesmos direitos, mas é bom pensar que a mudança está próxima, que o diferente bate à porta, é só permitir sua entrada.

Coluna Educação // Por Sheila Alves


Não é a primeira vez que o Vice Governador vem palestrar em Panelas:

Raul Henry fala da importância da transparência em Panelas-PE, município com a situação crítica no índice de transparência do TCE

Veja mais publicações sugeridas para você

Opinião 4115201452785643822

Dica promocional

Dica promocional
Transforme sua TV em Smart

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

Edição 2017 da Maratona de Cruzes

Confira o vídeo resumo da reportagem da 34ª Maratona de Cruzes, do principal dia do evento. Realizada a 34ª Maratona de Cruzes, o eve...
continuar

No facebook

RECEBA ATUALIZAÇÕES

Podcast Política

Online agora