Como anda, analiticamente falando, a situação da Educação de Panelas?

Antes de mostrar o resultado da análise a respeito da conjuntura educacional panelense, é necessário, para evitar certos mal-entendidos, levantar alguns pontos de alcance mais geral sobre como se deu o processo metodológico dessa análise, pois como já presenciamos em inúmeros posicionamentos, o relativismo opinativo de boa parte das pessoas que comentam o que acontece na cidade é absurdo, fazendo com que uma sala de aula “repleta de propagandas eleitorais” seja vista como detalhe, numa postura de análise simplista e irresponsável.

Plano Municipal de Educação (PME) - Panelas-PE

Então, na esperança de que os resultados (expostos mais abaixo) dessa análise não sejam julgados como um “indicador de detalhes”, deixo claro que a análise foi realizada, segundo o Plano Municipal de Educação (PME), durante o Fórum Municipal de Educação, aquele do qual falei no último artigo e que serviu para assegurar a participação dos segmentos representativos da cidade na elaboração do PME. O que quero dizer é que essa análise foi feita pelos funcionários da educação (e demais representações da cidade) em parceria com a Secretaria de Educação de Panelas, motivada pelo plano de metas “Compromisso Todos Pela Educação”, programa instituído pelo Decreto 6.094 assinado pelo então presidente Lula em 2007. Para receber o apoio técnico, financeiro e operacional do Ministério da Educação, Panelas aderiu ao compromisso e realizou esse diagnóstico a respeito da situação educacional do Município como um dos requisitos para se manter vinculado ao programa.

Para não cair na subjetividade e no “achismo”, a análise gira em torno de quatro dimensões: (I) infraestrutura e recursos pedagógicos, (II) gestão educacional, (III) Formação dos professores e serviços de apoio escolar e, (IV) práticas pedagógicas e avaliação. Segundo o que está escrito no PME, os integrantes do Fórum foram divididos em grupos – cada um responsável por uma das dimensões – e no final, após discussão e debate, os resultados possibilitaram a elaboração de uma matriz de análise qualitativa que analisa essas quatro dimensões e mais uma (Acesso/cobertura) em cada uma das modalidades que compõem o sistema educacional de Panelas: creche, pré-escola, ensinos fundamentais e EJA. O Ensino Médio também faz parte da análise, mas como meu objetivo aqui é dialogar com vocês acerca do empenho com o qual a gestão municipal vem cuidando da educação de nossa cidade, e como o Ensino Médio é responsabilidade do governo estadual, fixaremos nossas atenções às modalidades precedentes.

Enfim, podemos agora explorar os resultados, e posso adiantar que estes não são nada vantajosos. O acesso à creche e à pré-escola não atende à demanda, assim como a E.J.A. possui alta taxa de evasão. Sobre a infraestrutura e os recursos pedagógicos, Panelas apresenta insuficiência e inadequação em todas as modalidades: desde a creche, até a E.J.A (relembro aqui mais uma vez o caso da sala que mais parecia um comitê). Em relação à prática pedagógica, todas as modalidades necessitam de fortalecimento e utilização de tecnologias (aqui eu me pergunto: como andam as aulas de informática de nossas escolas?). No que diz respeito à formação e valorização do professor, e essa toca fundo na indignação, todas as modalidades apontam para a necessidade de investimento e fortalecimento na formação do professor, além de citar o problema dos humilhantes contratos temporários nas modalidades de ensino fundamental I e II. Para finalizar, a matriz ainda expõe o diagnóstico que diz respeito à dimensão da gestão democrática onde a baixa atuação dos conselhos escolares é apontada como um dos problemas desde a creche até o ensino fundamental II, além da necessidade de fortalecimento do programa Família na Escola.

"Se a educação das gerações vindouras não nos interessa, é sinal que também não se interessaram lá atrás com a nossa."
Estes resultados só reforçam o que há muito tempo já vínhamos comentando sobre o sistema educacional panelense, há problemas sérios que precisam ser percebidos, questionados e evidenciados para que só assim possam ser solucionados de maneira inteligente. A forma eficiente de se trabalhar em educação precisa sair do papel e começar a ser colocada em prática, não apenas em sala de aula, mas principalmente nas secretarias, diretorias e em todo o ambiente escolar. É fácil ridicularizar o slogan “Brasil: Pátria Educadora”, difícil é enxergar a parcela de culpa que carregamos por permitir que nossa sociedade abra a possibilidade de tal ridicularização. O quanto nos importamos com o que acontece na esfera educacional de Panelas? Se a educação das gerações vindouras não nos interessa, é sinal que também não se interessaram lá atrás com a nossa.

Graduada em Letras e 
Mestranda em Linguística pela UFPE

Veja mais publicações sugeridas para você

Opinião 6135170057309276598

Postar um comentário

Os comentários ou recados neste site refletem tão somente a opinião do autor do mesmo. Seja ético e não publique spam.

emo-but-icon

SEJA INTELIGENTE!

SEJA INTELIGENTE!
"A leitura é para a mente o que o exercício é para o corpo" (Joseph Addison)

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

AS DÍVIDAS DE SÉRGIO MIRANDA

Antes que algum fanático desinformado apareça dizendo que estou mentindo, segue os links do site oficial do Tribunal de contas do Estad...
continuar

Associado


RECEBA ATUALIZAÇÕES

Panelas Pernambuco Podcast

No facebook

Online agora