Elogio ao ódio

"Ninguém, seja cidadão ou político, nega que o ódio exista."
Sem dúvida essa é uma das palavras mais usadas no campo político ultimamente. Ficando atrás das triviais: “transparência”, “democracia”, “ética”... Mas diferente das outras palavras, o ódio é tido como um sentimento negativo, inconveniente, prejudicial, nocivo, maléfico etc., entretanto; venho em defesa desse sentimento que anda assustando muito os políticos do nosso país seja na esfera Federal, Estadual ou Municipal. Perceberão durante a leitura desse artigo que existe um motivo para terem tanto “ódio ao ódio” e discursarem quase sempre contra ele, e, não é o bem comum.

Não pensem amigos leitores, que estou sozinho na tarefa de elogiar, defender e recomendar o ódio (sempre baseado no meio-termo de Aristóteles), trago comigo ideias de São Tomás de Aquino, Rui Barbosa, Padre Manuel Bernardes, Charles Darwin, Érico Veríssimo, Honoré Balzac, Schopenhauer, a Bíblia Sagrada entre outros. Tratarei de modo filosófico, mas com dados históricos que nos ajudarão a compreender o motivo de políticos temerem tanto o ódio.

Antes de iniciar é necessário lembrar que ninguém, seja cidadão ou político, nega que o ódio exista. Todos concordam que esse sentimento está presente em suas vidas de modo frequente, as vezes latente, mas o ódio sempre está ali. O que negamos com mais frequência do que queremos admitir é que o ódio está em nós, apesar de sempre dizermos que está no outro. O problema está sempre no outro. O ódio está sempre no outro, e só tem sentido no outro. Envergonhamos-nos desse sentimento. Bem, isso começará a mudar.

Começaremos com Rui Barbosa: “Porque o ódio ao mal é amor do bem, e a ira contra o mal, entusiasmo divino”. Nosso célebre conterrâneo não explica em seu discurso, mas acredito que a forma com que ele trabalha “ódio” e “ira” em sua frase nos remete a Bíblia Sagrada que usa duas palavras gregas no Novo Testamento para “ira”. 1° Orge: paixão, energia; 2° Thumos; agitado, fervendo. Em outros dicionários é possível encontrar uma definição de ira como sendo: “emoção excessiva, paixão despertada por um sentimento de injustiça”, mas biblicamente é uma energia dada por Deus para ajudar a resolver problemas. Lembre-se de como Jesus fica irado quando vendilhões difamavam o templo de Deus (João 2;13-18), como Paulo confronta Pedro por seu mau exemplo em Gálatas (2:11; 14). Com isso percebemos que em momento nenhum a ira é usada para autodefesa, mas para defesa de princípios.

Irascimini, et nolite peccare (Irai-vos, mas não pequeis) – Livro dos Salmos 4 (Efésios; 4,26). Explica o Padre Manuel Bernardes: “E às vezes poderá haver pecado, se não houver ira; porquanto a paciência, e silêncio, fomenta a negligência dos maus, e tenta a perseveranças dos bons”. Observe que esse trecho dialoga diretamente com a Suma Teológica de São Tomás de Aquino: “Quem à toa se ira, peca, pois a paciência irracional semeia vícios, alimenta a negligência e excita ao mal não apenas os maus, quando não os bons”. Em outros termos, jamais devemos aceitar pacificamente uma injustiça contra princípios que moldam uma sociedade. Calar-se diante do mal é colaborar para com o que é mal. Irar-se com o que é ruim é levantar-se em defesa do bem, do justo. Pois como afirma o bom padre: “Nem o irar-se nesses termos é contra a mansidão, porque essa virtude compreende dois atos: um é reprimir a ira, quando é desordenada; outro excitá-la, quando convém. A ira se compara ao cão que ao ladrão ladra, ao senhor festeja, ao hóspede nem festeja, nem ladra; e sempre faz o seu ofício”.

É importante salientar que quando mantemo-nos em mansidão diante de descasos como o que acontece hoje em Panelas ou mesmo no Brasil estamos colaborando para que o descaso permaneça. Lembro que fatos históricos como repressão ao Quilombo de Palmares (século XVII), repressão a Canudos (segunda maior cidade da Bahia) com toda sua população praticamente exterminada, Guerra do Contestado (já na república) usaram bombardeio aéreo para atacar a própria população brasileira, e nunca se disse que o “governo” sentiu ódio. Ora, devemos então permanecer em mansidão diante das agressões frequentes à nossa história e ao nosso futuro? Devemos nos ajoelhar e amar nossos algozes, agradecendo pelas injustiças que nos são feitas diariamente? Rui Barbosa nos lembra de que o Jesus iroso que açoita os maus é o mesmo Jesus que morre na cruz pelo amor aos bons.

Charles Darwin (1809-1882) em sua obra expressões das emoções no homem e nos animais; associa à raiva a expectativa de sofrer alguma agressão intencional ou ofensa de outra pessoa. Voltamos mais uma vez para a necessidade de “irar-se com o que é oportuno, e com quem é oportuno”. Costumamos repudiar o ódio, a ira e caracterizar como manso as pessoas de “sangue frio”, pessoas que não costumam ira-se com nada e que parecem serem incapazes de odiar o que quer que seja (inclusive o que é mau). Schopenhauer nos diz algo importante sobre isso: “Não devemos mostrar nossa cólera ou nosso ódio se não por meio de atos. Os animais de sangue frio são os únicos que têm veneno”. Ou seja, cuidado com a paciência em demasia, o vizinho inofensivo pode se esconder em baixo da cama se ver alguém pular o seu quintal. Érico Veríssimo nos alerta: “o oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença...”. A cena em que uma moça é esfaqueada em plena luz do dia enquanto os que passam fingem que nada está acontecendo é uma boa ilustração para a questão.

"O ódio é do bem quando odeia o que é ruim. A ira é justa quando erguida contra a injustiça."
Por fim, guardei Honoré de Balzac porque acredito que seja o que descreve melhor o motivo dos políticos pedirem para que a população não se ire, não sinta ódio e permaneça em mansidão tal qual um animal despreocupado com o abate: “o ódio tem melhor memória que o amor”. Todo político teme que a população se rebele, e trabalha em cima da perda de memória recente do povo. Preocupam-se diariamente com sua imagem, sua popularidade, sua aceitação. O ódio é do bem quando odeia o que é ruim. A ira é justa quando erguida contra a injustiça. O ódio à corrupção, aos desmandos, aos desvios, malversação do erário, negligência dos princípios da administração é bom. Viva ao ódio que odeia a injustiça! Libertem o ódio que defende a liberdade! Vamos laurear o ódio que promove a queda de corruptos! A ira que não peca, porque não semeia vícios, mas sim, reestabelece a paz, pois “quem se ira com o que é oportuno; esse pode manter-se em mansidão”. Odiemos que semeia a fome! Odiemos quem semeia o mal! Odiemos quem semeia a guerra porque o que causa a guerra não é o ódio, mas a ganância! Odiosos de todos os países, uni-vos!

Por Pierre Logan

Odiosos de todos os países, uni-vos!

Veja mais publicações sugeridas para você

Opinião 3240274649979929071

Postar um comentário

Os comentários ou recados neste site refletem tão somente a opinião do autor do mesmo. Seja ético e não publique spam.

emo-but-icon

SEJA INTELIGENTE!

SEJA INTELIGENTE!
"A leitura é para a mente o que o exercício é para o corpo" (Joseph Addison)

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

AS DÍVIDAS DE SÉRGIO MIRANDA

Antes que algum fanático desinformado apareça dizendo que estou mentindo, segue os links do site oficial do Tribunal de contas do Estad...
continuar

Associado


RECEBA ATUALIZAÇÕES

Panelas Pernambuco Podcast

No facebook

Online agora