Mais de 40% das prefeituras tiveram contas rejeitadas segundo balanço do TCE

A cada ano os Prefeitos e o Governador enviam as suas prestações de contas de governo, como chefes do Poder Executivo, ao respectivo Poder Legislativo, que, por sua vez, são encaminhadas ao TCE-PE para fins de emissão de Parecer Prévio.

Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco

Levantamento realizado pela Diretoria de Gestão e Governança e Coordenadoria de Controle Externo mosta que em 2014 o TCE emitiu 188 pareceres prévios em processos de prestação de contas de governo no âmbito municipal. Do total, 53% foram pela aprovação com ressalvas; 46% pela rejeição e em 1% houve pareceres pela aprovação e rejeição no mesmo processo, em função de mais de um prefeito ter assumido a Prefeitura no período analisado.

Na prestação de contas de governo é avaliada a execução orçamentária, financeira e patrimonial do município como um todo. A análise feita pelo TCE leva em consideração as políticas públicas executadas pelo gestor nos aspectos relativos à saúde, educação, gestão previdenciária, repasses de duodécimos ao Legislativo Municipal, transparência pública e gestão ambiental, verificando, inclusive, se, ao executar o orçamento do município, o gestor obedeceu aos limites legais e constitucionais específicos.

Os principais motivos de rejeição, de acordo com o levantamento, foram os seguintes:

  • Previdência – Não recolhimento de significativos valores de contribuições previdenciárias (patronal ou de servidores municipais), seja para o regime previdenciário municipal ou para o INSS, causando aumento do passivo e o desequilíbrio das contas;
  • Gestão de pessoal – Não adoção de medidas eficazes à recondução de despesa com pessoal ao limite previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (54% das receitas totais arrecadadas pelo município no exercício financeiro);
  • Gestão orçamentária e financeira – Contratação de despesa em final de mandato sem que houvesse suficiente disponibilidade de caixa e assunção de compromissos à Conta do FUNDEB (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica) sem recursos efetivamente disponíveis. Os recursos do FUNDEB devem ser utilizados para o aprimoramento do ensino municipal;
  • Educação – Não aplicação de recursos suficientes na manutenção e desenvolvimento do ensino municipal. A Constituição Federal determina que os municípios invistam no mínimo 25% das receitas totais arrecadadas nesta área social;
  • Saúde - Não aplicação de recursos suficientes em ações e serviços de saúde. Conforme previsto na Constituição Federal, os municípios devem aplicar, no mínimo, 15% das receitas provenientes de impostos nesta área.

A prestação de contas do prefeito deve ser consolidada, englobando as contas do Poder Legislativo e dos órgãos e entidades da administração direta e indireta do Poder Executivo. As informações são do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, publicadas na última quinta-feira (19/02) no Portal do Cidadão.


A situação das contas da Prefeitura de Panelas:

Segundo o balanço realizado pelo TCE-PE, a prefeitura de Panelas está na lista com a situação de rejeição das contas dos últimos anos: 2010 e 2011. Em consulta no site do Tribunal de Contas (www.tce.pe.gov.br) foi constatado ainda que existe processo julgado de 2012 e as contas da Prefeitura foram rejeitadas novamente.

Veja mais publicações sugeridas para você

Transparencia 3798277445757846217

Postar um comentário

Os comentários ou recados neste site refletem tão somente a opinião do autor do mesmo. Seja ético e não publique spam.

emo-but-icon

SEJA INTELIGENTE!

SEJA INTELIGENTE!
"A leitura é para a mente o que o exercício é para o corpo" (Joseph Addison)

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

AS DÍVIDAS DE SÉRGIO MIRANDA

Antes que algum fanático desinformado apareça dizendo que estou mentindo, segue os links do site oficial do Tribunal de contas do Estad...
continuar

Associado


RECEBA ATUALIZAÇÕES

Panelas Pernambuco Podcast

No facebook

Online agora