O preço das eleições

Publicado em 18/08/2014 | Da Redação do Panelaspernambuco.com
A+ A-
Você já contou moedas para comprar pão? Já se preocupou com o que iria comer no final do mês? Já ficou sem comer, algo que sentiu vontade, por falta de dinheiro? Pois é, só quem já passou fome ou quem necessitou da ajuda de vizinhos, amigos, conhecidos para sobreviver vai entender o que estou querendo dizer.

Nada contra a ostentação imbecil, ou contra os políticos de Panelas que ganham para ficar de luto. Quem foi para a câmara municipal, na ultima quinta-feira, sabe que os vereadores inventaram uma desculpa esdrúxula para não dar voz aos professores. No país inteiro, em várias ocasiões, muitas pessoas que conviviam com o saudoso Eduardo Campos pediram um minuto de silêncio, mas os vereadores de Panelas se reuniram na câmara para decidir que não ia ter reunião na câmara municipal. Na cabeça oca deles deve fazer sentido.

A morte de Eduardo Campos foi lamentável. Confesso que nunca lamentei tanto pela morte de um político. Mas usar isso como desculpa para não fazer o que tem que fazer é de uma mediocridade monumental. Como se já não bastasse ter mudado o horário das reuniões para um período do dia em que nem os professores, cidadãos, estudantes, ou seja, grande parte da população pode participar. O importante é a comodidade dos “eleitos”.

Você para e pensa o quanto custa essa brincadeirinha, mas não sabe que é pior do que qualquer coisa que imaginar. Esqueça o quanto custa o “não ter reunião” e pense o quanto custou para eleger esse pessoal. Vamos fazer um raciocínio dedutivo (geral para o particular) e ver o quanto saímos por baixo nessa história de “política para boi dormir”.

Segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), sabe quanto vai custar? Somente 73, 9 bilhões, ou seja, três copas do mundo. Isso mesmo: Só com o dinheiro das eleições 2014 daria para organizar três copas do mundo. Os números falam por si. É só se dar ao trabalho de pesquisar no Google. Não vai precisar procurar muito. O que não era para gerar preocupações maiores é justamente o que me preocupa mais: A copa foi feita por dinheiro público (maior parte), mas as eleições são financiadas com doações feitas por empresas (maior parte). Agora, quem achar que as empresas vão querer um retorno levante a mão!

Por que estou dizendo coisas que parecem não ter ligação? Ora, claro que as aparências estão enganando, como fazem na maioria das vezes. Você recebe pouco porque o governo não “tem condições de pagar mais”. Você precisa comprar coisas que estão caras por conta da inflação que atinge a todos, inclusive as empresas. As empresas precisam pagar impostos para o governo, que elas ajudaram a eleger, com financiamentos para campanhas, que os “eleitos” ganharam fazendo com que você acreditasse que iriam aumentar seu salário para comprar coisas às empresas, para elas financiarem campanhas para os políticos...

Os professores se reuniram na câmara. Os vereadores deram a palavra e disseram algo parecido com isso: “olha, a gente está de luto, a maioria dos vereadores não veio, dane-se o tempo que vocês perderam. A tribuna está à disposição para quem quiser falar, mas o que for dito não vai valer nada. Desculpem o transtorno e votem em nós na próxima campanha municipal”.

Obviamente os professores remarcaram. Os vereadores, sem nenhum conhecimento, mas com muita “esperteza”, saíram com o salário alto e com todos os seus direitos garantidos. Os professores saíram com seus salários (vocês sabem), muito conhecimento, nenhuma “esperteza” e seus direitos negados e a certeza de que os que deveriam representá-los estão mais preocupados com quem vão eleger, para retribuir o dinheiro das empresas, que vão pagar tributos, para o governo dizer que vai aumentar o salário de quem vai comprar no mercado, que paga tributos para quem vai fazer reuniões, ou não fazer reuniões, para negar o direito, de quem recebe um salário...

O professor Arnóbio, que estava na pseudorreunião, me diz em uma conversa: “mais do mesmo!” e eu respondo: “Sou a completa falta de surpresa”! Escrevo o artigo e vou comprar pão, na padaria que paga tributos ao governo, financiado pelas empresas...

Por Pierre Logan

Veja mais publicações sugeridas para você

Política 2088874592875572907

Postar um comentário

  1. Muito dinheiro para ser gasto para nada, é um investimento com retorno garantido, eles já são eleitos com as mãos presas a quem os colocou no governo. E é claro nunca se pensa em quem votou neles, sim em quem pagou para eles estarem lá.
    Total desrespeito com as pessoas, colocar a desculpa do que não queria ser feito, no luto real.

    ResponderExcluir

Os comentários ou recados neste site refletem tão somente a opinião do autor do mesmo. Seja ético e não publique spam.

emo-but-icon

Ótimas ofertas

Ótimas ofertas
Artigos esportivos e mais

PUBLICAÇÃO SUGERIDA

Programação da Maratona de Cruzes 2017

Divulgada a programação oficial da 34ª Maratona de Cruzes. A festa será realizada nos dias 24, 25 e 26 de Novembro. Programação da 34ª Mar...
continuar

Associado


No facebook

RECEBA ATUALIZAÇÕES

Online agora